Rate this post

Para conciliar Pilates e musculação é um desafio para muitas pessoas. Porém, como trabalho no meu Studio junto com minha esposa, que é fisioterapeuta e atua no mesmo local com Pilates, encontramos formas de conciliar as atividades com o máximo de eficiência.

Costumo dizer que conciliar Pilates e musculação é um desafio bom. Afinal, a junção das duas atividades é fantástica e melhora em muito a qualidade de vida, desempenho e resultados do praticante.

Mas para que isso aconteça, é fundamental que a integração musculação e Pilates seja feita com inteligência.

 

Entendendo o Pilates e a Musculação, para integrá-los

Não vou me aprofundar muito neste assunto, pois já fiz um artigo sobre o tema: Pilates e musculação, uma combinação fantástica.

O Pilates tem como principal objetivo a centralização, melhora do controle motor e da mobilidade articular e muscular. Ele é um método amplamente usado no mundo todo e cientificamente comprovado.

Já na musculação, podemos trabalhar com diferentes enfoques, mas no geral, o aumento de força muscular é um de seus fundamentos.

Veja só, neste momento já dá para perceber a importância da conciliação de Pilates e musculação. Estaremos melhorando toda a questão motora e de controle muscular, ao integrar as duas modalidades.

Porém, dentro da rotina de treino, conciliar musculação e Pilates pode ser um desafio, no sentido de usar os treinos de forma integralizada.

 

Leia também:

Por que seu treino de hipertrofia não dá resultados?

Um guia de treino para iniciantes

Como conciliar Pilates e musculação e forma inteligente

 

É preciso entender que cada um dos métodos precisa ter objetivos específicos. Isso é o primeiro ponto da integração entre eles.

Por exemplo, para conciliar musculação e Pilates, temos que entender, dentro de nossa individualidade, o que cada um dos métodos trará de vantagens.

Depois de definir isso, podemos partir para a periodização e planejamento, conciliando-as.

Para conciliar Pilates e musculação, devemos seguir algumas regras básicas:

 

  • Definir a frequência de cada treino/aula

É importante definir quantas aulas serão feitas, semanalmente, de Pilates e musculação. Este é, na verdade, o primeiro ponto a ser levado em conta.

Por exemplo, alguém que faça Pilates 2 vezes por semana e musculação mais 2, terá uma forma de conciliação diferente de quem faz musculação 3 vezes na semana e 1 de Pilates.

Aqui não há número ideal. O mais importante é que, nas sessões semanais, tenhamos pelo menos 3 a 4 treinos por semana. Caso contrário, os resultados serão muito abaixo do esperado, pela falta de frequência.

 

  • Defina o que é importante no primeiro momento

Sempre que chega um aluno ao nosso studio, eu e minha esposa conversamos com ele para definir as prioridades. Desta forma, para conciliar Pilates e musculação, nós entendemos como atingir diretamente este objetivo. Em cima disso, montamos o planejamento.

Por exemplo, se o aluno sofre de dores, tem desalinhamentos musculares, pouca mobilidade e outros problemas, o primeiro foco é no alinhamento destes problemas e no condicionamento físico geral. No Pilates, será natural o trabalho em cima destes problemas. Já na musculação, será trabalhado a melhora da força e controle muscular, fortalecimento de core e outras estruturas estabilizadoras, além da melhora do condicionamento geral.

Uma pessoa com este quadro pode treinar para a hipertrofia na musculação? Com certeza. Porém, é preciso começar “arrumando a casa”, para que o desenvolvimento seja adequado.

 

  • Integração das cargas de trabalho

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o Pilates tem uma carga total de trabalho bem alta. Por mais que o aumento do gasto calórico não seja o objetivo, ele tem uma carga muscular e articular de trabalho bem alta.

Por isso, precisamos conciliar o trabalho de forma inteligente. Por exemplo, é possível, dentro do Pilates, trabalhar com enfoque em determinados objetivos, como fortalecimento do core, por exemplo.

Se na segunda fizermos uma sessão com este enfoque, no Pilates, na terça, temos que levar isso em conta na musculação. O ideal neste caso é dar um descanso para os músculos trabalhados, usando exercícios que tem menos solicitação deste grupo.

A integração das cargas de trabalho, dentro da integração entre Pilates e musculação é o ponto principal para a potencialização dos resultados e prevenção de lesões.

 

  • Primeiro melhore o quadro geral, depois o específico

Isso é um ponto muito importante ao conciliar Pilates e musculação. Por mais que você tenha objetivos específicos, é fundamental melhorar primeiro o quadro geral, para depois partir para objetivos mais específicos.

Por exemplo, imagine que você está conciliando Pilates e musculação para emagrecer e ter mais força, sendo mais funcional. O primeiro ponto, é a melhora da mobilidade articular, flexibilidade, força, resistência e controle muscular. Sem isso, você não chegará ao objetivo.

Isso por que, para conseguir um objetivo como este, você precisará de progressão. Só que para progredir nas cargas de trabalho, é fundamental ter uma boa base, que é o quadro geral. Por isso, este precisa ser seu foco.

 

Não há dificuldades na integração entre musculação e Pilates quando temos objetivos claros e principalmente, quando os professores dos métodos estão alinhados nas práticas. Este é, provavelmente, o ponto que mais fará a diferença neste cenário.

Por isso, treine sempre com a orientação de um bom profissional e principalmente, busque integrá-los em torno de seus objetivos. Conciliar Pilates e musculação exige isso.

 

Bons treinos!